04nov

Faz algum tempo que alguns amigos e eu participamos do programa, “Adote uma Escola”. Uma lição que aprendi desse envolvimento é a importância da esperança. Crianças que conheceram e experimentaram pobreza e opressão extremas podem ser bem-sucedidas se lhes derem esperança.

Não falo de sentimentos como “espero que”, o que basicamente significa “faço votos que”, ou “boa sorte”. Falo da esperança verdadeira, conquistada ao ver exemplos reais de pessoas que venceram adversidades semelhantes, e também de receber metas práticas e estratégias que coloquem essas crianças no rumo de uma vida melhor.

Sentimentos de desesperança não estão restritos apenas aos guetos ou comunidades desfavorecidas. Um pouco de esperança também seria útil no ambiente de trabalho. Recente pesquisa do Instituto Gallup revelou que apenas 30% dos trabalhadores sentem-se entusiasmados com seu emprego, achando-os significativos e recompensadores. Você pode imaginar isso? Hoje menos de um terço dos trabalhadores abordam suas responsabilidades profissionais com entusiasmo.

O que aconteceria se os 70% restantes compreendessem sua vocação como trabalhadores e tivessem esperança: a real sensação de que podem escapar dos sentimentos de escravidão e frustração que dominam sua realidade cotidiana? Se pudessem ter esperança, creio que a maioria se tornaria mais envolvida e produtiva. Em lugar de ser excesso de bagagem para suas organizações, eles se desenvolveriam e se tornariam colaboradores importantes e valorizados.

Como isso poderia acontecer? Não existe solução simples e instantânea. Por vezes os colaboradores são como o proverbial “pino quadrado” que tenta se encaixar num buraco redondo. A mescla exclusiva de habilidades e talentos que possuem não está coerente com as responsabilidades que lhes foram atribuídas e que devem desempenhar todos os dias. Eles podem se sentir mal utilizados ou impedidos de explorar oportunidades para seu crescimento profissional e pessoal. Sentem-se imobilizados, como se o trabalho fosse um beco sem saída, sem expectativas de crescimento.

Existem vários tipos de testes de competência e de personalidade, bem como ferramentas para avaliação de motivação que as empresas podem usar para avaliar seus colaboradores e encontrar a melhor forma de maximizar sua contribuição. Em alguns casos, um trabalho que pareça um beco sem saída pode ser exatamente isso, significando que o colaborador deveria ser encorajado a buscar alternativas mais compensadoras material, mental e emocionalmente.

Todos nós precisamos de esperança: a expectativa ou confiança de que coisas melhores nos esperam adiante e podem ser alcançadas. Provérbios 13.12 sabiamente observa: “A esperança que se retarda deixa o coração doente, mas o anseio satisfeito é árvore de vida”. Falta de esperança pode cobrar um preço físico alto, bem como em outras áreas.

Em última instância, os seguidores de Jesus Cristo encontram sua esperança em Deus, confiantes em Suas promessas de cuidar de nós, prover para nós e nos guiar em cada aspecto de nossas vidas. Por exemplo: Deus nos dá esta certeza: “’Porque sou Eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro” (Jeremias 29.11). Por que não teríamos esperança, quando sabemos que Deus tem um plano específico para nós e está trabalhando diligentemente para cumpri-lo?

Tome um momento para tentar dar esperança para alguém em seu ambiente de trabalho hoje!

Via

Fernando Salmazzi: Se você gostou dessa publicação, recomendo ver um video que me levou a refletir muito na vida e nas coisas que estão por vir (esperança):
Doses de ânimo