16ago

Uma notícia que pode trazer alívio para os revendedores de tintas foi dada pelo gerente de marketing da Brasilata, Tiago Forte, em palestra sobre embalagens de aço para as tintas, dia 11/06, no auditório da Artesp.

Um projeto piloto de reciclagem de lata deve ser implantado em São Paulo e depois contemplar outras cidades. O projeto idealizado pela Associação Brasileira de Embalagens de Aço, com o apoio da Abrafati, visa criar um posto de coleta das embalagens de aço, entre elas as de tintas, recolhidas nas ruas pelos catadores de recicláveis ou que sejam levadas pelos próprios consumidores finais e depois preparadas para alimentar os altos fornos da siderúrgica Gerdau, que pagaria por essa sucata. Os lojistas de tintas devem ficar atentos a esse projeto para informar a seus clientes sobre o destino final das latas de tintas.

Além do valor econômico, Tiago Forte, observou que a embalagem de aço é tecnicamente uma das melhores formas de se acondicionar produtos, por evitar desperdícios e proteger adequadamente a integridade de seu conteúdo no transporte e comercialização. Segundo ele, além de resistente, a embalagem de aço é versátil, proporciona uma excelente apresentação na prateleira, pode se transformar em brinde para o consumidor e é totalmente reciclável.

Quando se pensa no transporte de longa distância ou em condições críticas, por exemplo, a embalagem de aço é a primeira a ser cogitada por sua resistência mecânica. A espessura do aço, constantemente reduzida, proporciona a redução do peso específico da embalagem e aumenta a competitividade em relação aos outros materiais. No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas precisam da sucata para fazer um novo aço, ou seja, cada usina siderúrgica é uma planta de reciclagem, sem comprometer as características de resistência, inviolabilidade e menos riscos à saúde que as latas de aço proporcionam.

Fonte: Revista Pintou na Artesp, nº 50, 2013